Prefeitura de Santos -SP – Professor Adjunto I – Edital 01/2022

INFORMAÇÕES IMPORTANTES SOBRE O EDITAL

 

  • Previsão da Prova: 13 de março de 2022  (Item 2 – p.10)
  • Conteúdo:  pg. 27-29
  • Remuneração: R$ 1.687,97 + R$ 228,47 (auxílio alimentação) = R$ 1.916,44 equivalente ao nível N. 105 horas aulas mensais (p.25)
  • ATENÇÃO: Não esqueça de acessar semanalmente o edital completo e acompanhar as informações atualizadas no site da banca.
  • Este Edital Esquematizado NÃO É UM CURSO ESPECÍFICO É um “Roteiro de Estudo” e um “Atalho dos Materiais Existentes” no site. O objetivo é ajudar na organização dos estudos! 

 

DICA DE ESTUDO PARA ESTE EDITAL

A banca inovou muuuuuuito nas referências bibliográficas. E como o edital veio com um prazo muito curto, não teremos tempo para ver tudo o que o edital sugere. Por isso, precisamos estudar com estratégia! Nossa sugestão é: primeiro veja os vídeos que indicamos  logo abaixo e,  quando possível, leia os textos complementares anotando apenas as informações que são “novas ou diferentes” para você. Aposte o seu tempo em resolução de questões das aulas e também na resolução dos simulados que estamos incluindo aos poucos . E lembre-se: o edital é extenso para todos, sendo assim, quem estudar com estratégia e foco em resolução de questões estará em vantagem! Bom estudo….

–> Acesse os Simulados da IBAM clicando aqui!

Legislação e Conhecimentos Pedagógicos: TODOS OS CARGOS

A construção de uma escola democrática e inclusiva

TEIXEIRA, Anísio. A escola pública universal e gratuita. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Rio de Janeiro, v.26, n.64, out./dez. 1956. p. 3-27.

Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília, MEC/SEESP, 2008.

CARVALHO, Rosita Edler. Educação Inclusiva com os Pingos nos Is. 2. ed. Porto Alegre: Mediação, 2005.

Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. (sem previsão)

Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e Protocolo Facultativo. (sem previsão)

A qualidade social da educação escolar e a educação para a diversidade numa perspectiva multicultural

BRASIL. RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 17 DE JUNHO DE 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana (anexo o Parecer CNE/CP nº 3/2004) BRASIL

RESOLUÇÃO CNE/CP Nº 1, DE 30 DE MAIO DE 2012. Estabelece Diretrizes Nacionais para a Educação em Direitos Humanos (anexo o Parecer CNE/CP nº 8/2012) (sem previsão)

Relação professor-aluno, escola-comunidade.

PERRENOUD, Philippe. “10 novas competências para ensinar”. Porto Alegre. Artmed. 

PERRENOUD, Philippe. Formando Professores Profissionais, Porto Alegre. Artmed-Artes Médicas Sul, 2001 - Edição revisada.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed., São Paulo: Paz e Terra, 2011.

RIOS, Terezinha Azerêdo. Ética e competência. 20. ed., São Paulo: Cortez, 2011.

A educação escolar como direito e dever do estado. Financiamento da Educação.

LEI Nº 8.069, DE 13 DE JULHO DE 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança do Adolescente-ECA.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL –1988. (Artigos 5º, 6º; 205 a 214)

LEI Nº 9.394, DE 20 DE DEZEMBRO DE 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 4, DE 13 DE JULHO DE 2010. Define Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais para a Educação Básica (anexo o Parecer CNE/CEB nº 7/2010) BRASIL.

Relação Educação – Sociedade – Cultura. Concepções Filosóficas da Educação.

CORTELLA, Mário Sérgio. A escola e o conhecimento: fundamentos epistemológicos e políticos. ed, São Paulo, Cortez, 2011. (sem previsão)

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. UNESCO/Cortez Editora, cap. III e IV, p. 47-78, e cp. VI, 93 -104, 2000.

Tendências pedagógicas na prática escolar. A educação escolar – atuais tendências e exigências.

SACRISTÀN, J. Gimeno; PÉREZ GOMES, A. I. Compreender e transformar o ensino. 4. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2000.

SAVIANI, Dermeval. Histórias das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas; Autores Associados, 2010.

Planejamento, metodologia e avaliação do processo ensino / aprendizagem.

MOREIRA, Antonio Flávio B. (Org.) – Currículo – Questões atuais – Papirus Editora.

HOFFMANN, Jussara – Avaliação Mediadora – Editora Mediação – 2000. 

LA TAILLE, Yves. DANTAS, Heloisa e OLIVEIRA, Marta Kohl de, Piaget, Vygotsky, Wallon: teorias psicogenéticas em discussão. 24. ed., São Paulo: Summus, 1992.

GROPPA, Julio – Indisciplina na escola (alternativas, teóricas e práticas) Summus Editorial.

 Professor de EDUCAÇÃO BÁSICA– PEB I (Conhecmentos Específicos)

Educação Básica: A criança e a formação pessoal e social; o conhecimento do mundo. A criança e as interações. 

MACEDO, Lino de – Ensaios Pedagógicos: como construir uma escola para todos? Artmed – Porto Alegre – 2005.

A criança enquanto ser em transformação. A construção da identidade e da autonomia das crianças.

A infância e a cultura; a arte enquanto espaço da produção cultural da infância.

Parâmetros Curriculares Nacionais de 1ª a 4ª Série – Volumes de 1 a 5

A educação escolar – aprendizagens e ensino: Ensino e a aprendizagem da língua. Alfabetização. O texto como unidade de ensino. Diversidade textual e gêneros discursivos. Construção da competência leitora e escritora das crianças. 

FERREIRO, Emília. Reflexões sobre alfabetização. 25. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

LERNER, Delia. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed, 1998.

TEBEROSKY, Ana; COLOMER, Teresa. Aprender a ler e a escrever: uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2002.

WEISZ, Telma. O diálogo entre o ensino e a aprendizagem. São Paulo: Ática, 2002.

Ensino e a aprendizagem da matemática.

LERNER, Delia; SADOVSKY, Patrícia. O sistema de numeração: um problema didático. In: PARRA, Cecília (Org.). Didática da Matemática: reflexões psicopedagógicas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. p. 73-155.

LERNER, Delia. A matemática na escola aqui e agora. Porto Alegre. Artmed, 1996.

Avaliação do processo educativo na Educação Infantil. 

HOFFMAN, Jussara – Avaliação Mito & Desafio – Editora Mediação – 2003.

Professor de EDUCAÇÃO INFANTIL

Avaliação do processo educativo na Educação Infantil. 

HOFFMANN, Jussara. Avaliação e Educação Infantil: um olhar sensível e reflexivo sobre a criança/Jussara Hoffmann. - Porto Alegre: Mediação, 2012.

O imaginário infantil. O brincar e o brinquedo. O jogo como recurso privilegiado.

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/ SEF, 1998. BRASIL, Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, Parecer CNE/CEB Nº. 20/2009 e Resolução CNE/CEB Nº. 05/2009, Brasília/DF, 2009. BRASIL, Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica - Brinquedos e brincadeiras nas creches: manual de orientação pedagógica /Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. - Brasília: MEC/SEB, 2012.

BARBOSA, Ana Mae. Arte Educação no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2002.

ELENA, Luiza. Brincar de Aprender: uni-duni-tê: o escolhido foi você! R. J. Waked, 2008.

O professor de Educação Infantil: Perfil.A instituição e o projeto educativo. Relação entre o cuidar e o educar.

CANDAU, Vera Maria. A didática e a formação de educadores – da exaltação à negação: a busca da relevância. Petrópolis, RJ: Vozes, 1989. p 12- 21.

Relação entre o cuidar e o educar.

Desenvolvimento infantil: físico, afetivo, cognitivo e social.

BARRETO, Siderley de Jesus. Psicomotricidade: educação e reeducação. Blumenau: Odorizzi, 1998.

GALVÃO, Isabel. Henri Wallon: uma concepção dialética do desenvolvimento infantil. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

A construção do raciocínio matemático.

KAMII, Constance. A criança e o número. São Paulo: Campinas. Papirus, 1990.

Pensamento e linguagem – leitura e escrita – letramento.

ZILBERMAN, R. A literatura infantil na escola. São Paulo. Ed. ABDR ed. Afiliada, 2003

Construção das diferentes linguagens pelas crianças: movimento, música, artes visuais, natureza e ambiente, e matemática. Visão histórica da Educação Infantil no Brasil. Concepção de Educação Infantil, de infância e de criança.  Visão histórica da Educação Infantil no Brasil.

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/ SEF, 1998. 

BRASIL, Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil, Parecer CNE/CEB Nº. 20/2009 e Resolução CNE/CEB Nº. 05/2009, Brasília/DF, 2009. BRASIL, Ministério da Educação.